TEMPO DE DESPERTAR… HOJE E SEMPRE!!! – Por Emílio Figueira

Nada mais paulistano do que ir domingo de manhã ao tradicional bairro do Bixiga assistir a uma peça de teatro. Ainda mais se for encenada no Teatro Ruth Escobar pelo o meu eterno grupo Cia Teatral Olhos de Dentro – Um Exercício de Inclusão.  Eu fui e quero contar o que vi e vivi!!!

Um dos grandes baratos de uma peça teatral é mexer com nossas emoções estéticas. Só que a peça TEMPO DE DESPERTAR, ali na Sala Miriam Muniz encenadas por eles, consegue transcender em sua linguagem cênica ao trazer em sucessivas cenas formas intuitivas e delicadas, temas tão pertinentes e tão fundamentais aos dias atuais.

E tudo ali é um casamento perfeito. A atuação de cada ator e atriz que, dentro de seu limite individual, dão o melhor de si e, mais do que representar, fazem poesia no palco. Alguns daqueles atores já estão na companhia há mais tempo, outro menos e alguns na primeira temporada. Mas, sem citar nomes, alegrou-me em notar como muitos desses meus amigos vêm crescendo em suas interpretações e dominando tecnicamente a cena e o palco.

Por outro nesse casamento perfeito, está a sensibilidade da direção e adaptação de texto de Nina Mancin que, ao beber em temas de inteligência emocional, transforma aquelas esquetes em uma nova linguagem dramatúrgica que merece ser copiada e explorada pelo teatro brasileiro atual. (E eu nem preciso dizer que vou me apropriar desse modelo de dramaturgia que me foi ontem apresentado pela Nina! Rsrsrs)

Sem sombra de dúvidas, os atores de TEMPO DE DESPERTAR, com autoridades de pessoas que se superam nas mais diversas situações, têm autoridade como ninguém para interpretar esse texto.

QUAL O GRANDE LEGADO QUE A CIA DEIXARÁ PARA HISTÓRIA?

A primeira Cia realmente inclusiva no sentido mais puro da palavra!

Vivemos um momento no qual a sociedade promove a inclusão de pessoas com necessidades especiais nas escolas, mercado de trabalho e nos mais variáveis segmentos sociais. Uma sociedade cada vez mais consciente que chamou para si a responsabilidade de criar caminhos para que pessoas com qualquer tipo de deficiência possa atingir graus de desenvolvimento imagináveis. Mas será que essas pessoas também podem ser atores de teatro?

Claro que sim! Há 15 anos coordenada pela atriz, diretora e psicopedagoga Nina Macin e tendo o ator e preparador corporal Geraldo Pereira como um de seus principais colaboradores, a Cia Teatral Olhos de Dentro promove a formação e inclusão teatral pessoas com deficiência física, visual, síndrome de down, paralisia cerebral e autistas, juntamente com pessoas sem deficiência, pessoas idosas, crianças. E, por colocar todos juntos atuando no mesmo palco, posso afirmar com segurança que essa é a primeira Cia realmente inclusiva no sentido mais puro da palavra!

Ali estão pessoas que não encontram espaço, aceitação e compreensão nos cursos tradicionais de teatro.  E com mais de 350 pessoas que já passaram pela Cia, há muitos relatos de casos que melhoraram sua autoestima e, consequentemente, a sua convivência e comunicação na escola e na vida como um todo pelos benefícios do fazer artístico.

E volto a dizer para que não fiquem dúvidas. O ponto central que caracteriza este Projeto como uma Inclusão Social, é mesclar junto a elas pessoas sem nenhuma dessas deficiências, parceiros de aulas e de palco. Através do Curso Livre de Teatro, são atendidas crianças, adolescentes e adultos com objetivo de integrá-los na área de artes cênicas, promovendo e estimulando a convivência no meio teatral e na vida.

TEMPO DE DESPERTAR, PARTE DOIS!

Voltando à peça TEMPO DE DESPERTAR, eu que já vivi uma temporada dentro desse grupo, vou tomar a liberdade de dizer. Até onde eu conheço a sua história, esse é o melhor texto que a Cia Teatral Olhos de Dentro já montou em termos de qualidade sem contar com nem um apoio financeiro, mas com uma profundidade de conteúdo.

Domingo foi a última apresentação e, com um toque especial, tendo na plateia muito dos ex-alunos da Cia, assim com este cronista que vos fala! Mas você reparou que escrevi esta crônica no verbo presente? É que quero crer que essas quatro apresentações foram apenas um piloto. TEMPO DE DESPERTAM não foi uma peça magistral. TEMPO DE DESPERTAR é uma peça magistral!!!

Desejo mesmo do fundo do meu coração que no próximo ano esse texto seja retomado com uma temporada ainda maior. Pois esse trabalho cênico, essa dramaturgia ousada e essa direção precisa ser visto e aplaudido por muitos. E afinal, o que não falta hoje em dia, são pessoas para serem alcançadas pela poética da Cia Olhos de Dentro e saírem do teatro tocados e modificados…. Hoje e Sempre!!!

Texto publicado no blog Emilio Figueira em novembro de 2017

Deixe uma resposta