Jornalista com paralisia cerebral lança ‘Bim, Um Menino Diferente’

BEATRIZ INHUDES – Jornal O Dia

Rio – O jornalista Fábio Fernandes acaba de lançar seu primeiro livro, o infantil ‘Bim, Um Menino Diferente’ (Editora Multifoco, 32 págs., R$ 38) que trata da inclusão de crianças com deficiência sob uma nova perspectiva. A publicação usa a linguagem dos quadrinhos para contar a história de um menino de 11 anos que, desde o seu nascimento, convive com a paralisia cerebral. Este seria apenas mais um lançamento sob a égide da inclusão, não fosse um fato quase extraordinário: Fábio também é portador de paralisia cerebral desde que nasceu. Ele não fala, não anda e se comunica através de mensagens digitais, com os pés. E foi assim que ele conversou com O DIA .

“O livro traz impressões e imagens que refletem a minha infância e juventude. Mas não se trata de uma autobiografia, porque os acontecimentos que formam a trama não aconteceram literalmente comigo. Porém, são comuns e acontecem com qualquer pessoa com algum tipo de necessidade especial. Não é difícil ouvir relatos de cadeirantes que enfrentam barreiras, seja no transporte, seja em locais públicos. E o mais gratificante foi falar disso de uma maneira leve, com humor, levando o leitor a pensar sobre o assunto”, conta o escritor, que hoje tem 40 anos e vive com a mãe e uma irmã.

Ele conta que a ideia de escrever ‘Bim’ nasceu da percepção da carência de uma literatura infantil que trate da pessoa com necessidades especiais. “Hoje até existem algumas obras, mas que têm o caráter quase didático, tipo “aprenda como conviver com seu coleguinha Down”. Meu livro também tem isso; existe a preocupação de passar informações para o professor que recebe alunos com deficiência e para as crianças que partilham os mesmos ambientes. Mas eu quis mostrar que aquele menino que você vê numa cadeira de rodas é tão peralta, travesso e alegre quanto qualquer outra criança. É isso que busquei e por isso usei os quadrinhos. Quis dizer que ter um amigo cadeirante é legal, até porque ele não vai te ganhar no pique-esconde”, brinca o jornalista, que também é autor de duas peças teatrais: ‘O Menino que Falava com os Pés’ e ‘Meu Irmão’.

‘O Menino que Falava com os Pés’, aliás, foi um dos primeiros espetáculos de teatro a tratar da temática da inclusão escolar de crianças com deficiência, em 1998. ‘Meu Irmão’, por sua vez, foi representado em 2006 pelo grupo de teatro ‘Histéricos’, em Portugal.

Fábio atuou como repórter na cobertura dos jogos Parapan-americanos, de 2007, mantém o blog ‘Eficiente em foco’, voltado para a temática inclusiva, no ar há mais de sete anos, trabalha como repórter do portal da Prefeitura do Rio e colabora com a Associação Objetivo de Deficientes, entidade sem fins econômicos que age na defesa dos direitos das pessoas com deficiência. Apesar da vida ativa, confirma que ainda existe muito preconceito acerca de portadores de necessidades especiais.

“Meu tipo de deficiência ainda traz um estigma muito grande. As pessoas com paralisia cerebral carregam uma carga de estereótipos profundamente negativa. Eu acho que nós, que trabalhamos com formação cultural, temos um papel fundamental na mudança deste quadro. Fazer cultura é abrir novas possibilidades de ver o outro, de compreendê-lo e fazer com que, no caso dos portadores de paralisia cerebral, seja visto além dos padrões estéticos. Eu busco fazer com que meu trabalho motive essa mudança na visão da sociedade”, reflete o autor, que nasceu com paralisia em razão de um erro médico.

“É inaceitável que em 2014, tal qual 40 anos atrás, ainda nasçam crianças com paralisia cerebral porque passaram da hora”, reclama Fábio, que, em seguida, mostra novamente bom humor. “Tenho grave comprometimento motor, não ando, não falo, mas sou simpático e bonito. Pelo menos, a minha mãe acha”, diverte-se.

Atualmente, ‘Bim, Um Menino Diferente’ está à venda apenas no site da Editora Multifoco. Fábio ressalta que escolas e instituições ligadas à causa da pessoa com deficiência podem formar grupos de compras com descontos e promoções. “Nesse caso, é melhor entrar na página do livro no Facebook (www.facebook.com/aturmadobim) para fazer a negociação”, explica o autor.

Deixe uma resposta